Pompoarismo: o que é, como praticar e benefícios

21


Aprenda sobre a técnica que melhora a performance sexual e faz bem à saúde

O pompoarismo é uma técnica de exercícios que estimulam a contração do períneo e da vagina. Ele pode ser realizado a partir de movimentos de contração, que podem ser feitos de forma livre ou com o uso de objetos específicos. Se você assistiu a Cinquenta Tons Mais Escuros, certamente ficou curiosa sobre as bolinhas de pompoarismo usadas por Anastasia Steele. Esse acessório é um dos itens utilizados para trabalhar e fortalecer a musculatura vaginal, proporcionando diferentes benefícios para a mulher como melhor desempenho sexual

A prática do pompoarismo possibilita que a mulher tenha mais consciência e controle do seu próprio orgasmo. No início, o mais seguro é que ela seja feita de forma livre, com o passar do tempo, à medida que os músculos do assoalho pélvico vão ganhando maior fortalecimento, podem ser introduzidos alguns objetos. Vale lembrar que é necessária orientação de um profissional para que os exercícios sejam feitos com segurança.

Origem

O pompoarismo tem origem é milenar e oriental. Nasceu no sul da Índia, e foi se espalhando pelo mundo e se popularizando. Nos anos 40, o ginecologista alemão Arnold Kegel, em busca de um tratamento para evitar as incontinências urinárias criou uma série de exercícios com a finalidade de fortalecer os músculos do períneo.

Por causa deles, foi comprovado que estas contrações também ajudavam as mulheres a reconhecerem as contrações do orgasmo e, por isso, passaram a ser utilizadas nos consultórios de sexologia para tratar disfunções sexuais, junto com a psicoterapia.

Por que o pompoarismo ajuda no sexo?

Segundo Carmen Janssen, psicanalista, sexóloga, instrutora de pompoarismo e e Membro da Sociedade Brasileira de Estudos em Sexualidade Humana/SBRASH, a técnica possibilita que as mulheres entrem em contato com seu corpo, alcançando benefícios físicos e psicológicos. Isso possibilita que a praticante conheça seus limites, perceba novas sensações e lide melhor com a própria sexualidade.

Os exercícios de fortalecimento da musculatura vaginal permitem também que, no momento da penetração, a mulher consiga aumentar a fricção entre pênis e vagina. Isso torna a relação mais prazerosa e facilita os orgasmos.

Mulheres lésbicas ou que não praticam sexo com penetração também se beneficiam da técnica, já que há uma melhora na saúde física, bem-estar e autoconhecimento. “O prazer sexual e o autoconhecimento sexual, é um direito humano universal, independentemente do sexo, gênero, orientação sexual, raça, classe social, idade, religião, deficiências mentais ou físicas”, defende Carmen.

Os orgasmos múltiplos também são facilitados, porque as mulheres que fazem pompoarismo não aprendem só a contrair os músculos, mas também a relaxá-los. Assim, logo depois de chegar lá, elas conseguem ficar prontas mais rápido para o próximo momento.

O homem também tem vantagens, já que os exercícios tornam mais fácil massagear o pênis do parceiro, promovendo mais prazer e até controlando o momento da ejaculação.

Além disso, há algumas mulheres que sentem muita dor na hora da penetração, pois contraem a vulva involuntariamente. Se este for o caso, o pompoarismo pode ajudar, porque a mulher vai ganhando cada vez mais controle destas contrações. Embora, nos casos de vaginismo seja necessário um acompanhamento com psicoterapeuta sexual.

Estes movimentos fortalecem o assoalho pélvico, que é um grupo de músculos e ligamentos que vão do osso púbico até o cóccix. Além das funções sexuais, o assoalho pélvico está ligado ao funcionamento do reto, bexiga e também pelas continências urinária e fecal. Por isso, entre os ‘efeitos colaterais” do pompoarismo, podem estar a melhora destas condições.

Como aprender

Para a prática do pompoarismo é necessária a orientação de um profissional certificado. Esse profissional irá orientar o passo a passo para a realização dos exercícios.

Na internet, também há diversos guias e videoaulas que ensinam técnicas de pompoarismo com e sem acessórios. Estudar muito sobre o assunto é importante antes de começar a praticar. Mas tomar cuidado com a fonte das informações é essencial.

Carmen Janssen ressalta que, como em qualquer área do conhecimento, a aluna deve se certificar sobre a formação e certificação dos instrutores. Entre os profissionais que costumam ensinar pompoarismo, estão sexólogas, médicas e fisioterapeutas.

Como praticar

As contrações exercitam os músculos vaginais, conhecidos popularmente por “anéis” musculares do interior da vagina. Embora não existam “anéis” imagine que o primeiro esteja localizado logo na entrada da vagina, esse tem uma força maior. Já os dois últimos, no meio e no fim do canal vaginal, próximo ao útero, têm menor força de contração. Há alguns exercícios mais básicos para a sensibilização de quem está começando.

Para praticar o mais comum deles, você deve estar com a bexiga vazia. Sabe aquele movimento de interromper o xixi? Repita ele dez vezes, descanse 15 segundos e faça mais duas vezes. Pratique um pouquinho por dia.

Outro exercício para aumentar a percepção da musculatura é inserir na vagina o dedo indicador ou médio (bem limpo, é claro) e apertá-lo. Use lubrificante a base de água.

Quanto praticar

Quanto mais se exercitar, mais rápido vêm os resultados? Errado! O excesso de exercícios pode ser prejudicial ao assoalho pélvico, pois afetam as fibras musculares. Para não correr riscos, o ideal é praticar, no máximo, dez minutos por dia.

Carmen recomenda a assiduidade, com a prática de, no máximo, dez minutos todos os dias ou em dias alternados. Os exercícios também devem ser personalizados para cada necessidade.

Benefícios para a saúde

Por exercitar uma série de músculos que fazem parte do assoalho pélvico, o pompoarismo vai muito além do prazer. Segundo Débora Amorim Oria Fernandes, ginecologista do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), há benefícios para quem quer resolver outros problemas:

  • Vaginismo: Quando a mulher tem vaginismo, ela sente dor durante a penetração, porque contrai muito a entrada da vagina. Ao ganhar consciência sobre a musculatura do assoalho pélvico, ela consegue ter o controle da contração e o relaxamento
  • Incontinência urinária: Geralmente, quem sofre de incontinência urinária tem musculatura frágil. Assim como uma ginástica, o pompoarismo é um exercício que fortalece os músculos e, portanto, pode ajudar.

Porém, caso a queixa seja de doença, é importante consultar um médico ou fisioterapeuta para tratamentos complementares.

Também existem alguns mitos sobre os efeitos do pompoarismo. Débora ressalta que a prática não exercita os músculos uterinos e por isso não tem efeito sobre as cólicas. O trabalho de parto também não é beneficiado.

Cuidados, contra-indicações e segurança

Não é todo mundo que pode praticar o pompoarismo. A sexóloga Carmen Janssen recomenda que grávidas nos três primeiros meses não façam, já que pode provocar perigosas contrações uterinas. Mesmo depois dessa fase, é importante conversar com o obstetra. Quem sofre de endometriose, inflamações pélvicas, infecções sexualmente transmissíveis ou urinárias devem resolver o problema antes de começar a técnica.

A higiene também é essencial, principalmente porque o canal vaginal é uma mucosa. Para praticar, as mãos devem estar limpas e os acessórios lavados com água e sabão neutro. Eles devem ser lavados antes e depois da prática. Os objetos são pessoais e não podem ser compartilhados com ninguém.

Acessórios

O pompoarismo pode ser feito com e sem acessórios. Mulheres que ainda não tiveram relações sexuais com penetração ou aquelas que ainda têm o hímen não podem usá-los.

Não é necessário ter pressa para usar estes objetos. O fortalecimento dos músculos começa com os exercícios de sensibilização, mencionados acima, que usam apenas o dedo. Depois de ter prática e entrar em contato com a própria sexualidade, a mulher pode buscar como introduzir estes objetos.

Carmen ressalta que a recomendação dos objetos é feita a depender da idade e das condições das alunas.

Veja quais são os acessórios utilizados nos exercícios:

  • Bolas de Ben Wa: são bolinhas ligadas por um cordão de silicone que têm pesos em seu interior. As bolas podem ser feitas de vários materiais e são usadas para ganho de força
  • Colar Tailandês: Também são bolinhas ligadas por um cordão. Porém, não têm peso, pois são usadas para o fortalecimento da musculatura, pois ajudam a treinar a expulsão e a sucção
  • Cones de Plevnik: São pesinhos de 20 a 70 gramas (devem ser usados com orientação). Eles fortalecem a musculatura na tentativa de mantê-los dentro da vagina
  • Vibrador: Há quem use vibradores com a finalidade de treinar a sucção e a expulsão da vagina.

Importância da respiração

Como em qualquer exercício físico, o controle da respiração é a chave para o pompoarismo. Quando fizer os primeiros exercícios, você provavelmente irá sentir vontade de prender a respiração. Quanto mais você praticar, estes movimentos ficam mais naturais.

Ter consciência de como inspirar e expirar de forma correta facilita que você execute as técnicas mais básicas.

Homens podem fazer pompoarismo?

O pompoarismo também pode ser praticado pelos homens, porque o fortalecimento do assoalho pélvico é benéfico para todos, mas as técnicas são diferentes.

Pompoarismo na gravidez

Até os três meses de gestação, é arriscado que se pratique pompoarismo. As contrações do canal vaginal podem ser prejudiciais para o bebê. Mesmo após esse período, é importante que as grávidas conversem com o ginecologista para entender os limites.

Porém, a prática não ajuda no momento do trabalho de parto, segundo Débora. Quem quer se preparar este momento deve buscar um fisioterapeuta que vai indicar exercícios especiais para gestantes. Após o nascimento do bebê, é importante esperar o puerpério para retomar os exercícios.

Exercícios de Kegel x pompoarismo

Segundo a sexóloga Carmen Janssen, os exercícios de Kegel foram introduzidos nos anos 40 para combater a incontinência urinária e prevenir as colpoperineoplastias (cirurgias para “bexiga caída”). Entre eles, há os que visam a contração do períneo e a partir deles é que foi possível entender a importância do autocontrole perineal e o uso sexual das técnicas. Porém, o médico também aplicava diversas variações, em função da necessidade de cada paciente.

Fisioterapia pélvica x pompoarismo

Enquanto o pompoarismo é a técnica de contrações voluntárias dos músculos perivaginais, a fisioterapia pélvica é uma especialização da área da saúde. Nem sempre ela terá o caráter preventivo. Algumas vezes, as pessoas recorrem à fisioterapia pélvica para reabilitar qualquer uma das estruturas que formam o assoalho pélvico, caso estejam lesionadas.

Além dos exercícios de Kegel, a fisioterapia pélvica usa outros tratamentos e aparelhos, como biofeedback e eletroestimulação.

Fontes:

– Carmen Janssen, psicanalista, sexóloga, instrutora de pompoarismo e membro da Sociedade Brasileira de Estudos em Sexualidade Humana.

– Dra. Debora Amorim Oria Fernandes, Ginecologista e Obstetra especializada em Uroginecologia e Assoalho Pélvico. Médica da clínica Femcare e do departamento de Ginecologia do Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina da USP